Archive

Archive for December, 2009

Anos 00

December 14, 2009 Leave a comment

 

Capa executada por Todd St John para New York Magazine.

 

Com o final da década batendo à porta, a New York Magazine aproveitou o gancho e convidou alguns artistas gráficos para contribuirem com suas interpretações do que foi os Anos 00, em sua edição de retrospectiva da década.

Um fato curioso da discusão é como deveríamos chamar esta década que termina, podemos facilmente falar sobre os “anos vinte”, os “anos oitenta”, mas o que seria estes anos “zero” ou em termos técnicos seria melhor dizer “primeira década do século”…

Seja lá como for, esta década de dois zeros foi uma das mais recheadas de eventos que irão possivelmente determinar o curso da humanidade nos próximos anos, um período histórico que marca no mínimo o início de uma nova ordem mundial (Ex.: 9/11 e Obama)

Abaixo algumas das artes feitas para a New York Magazine que retratam bem a diversidade de interpretações sobre esta década marcante.

David Carson

Jonathan Grey

Studio 8

Matt Owens

Alex Trochut

Post via: Creative Review

Advertisements

Pipilotti Rist

December 7, 2009 Leave a comment

A videoartista suíça Pipilotti Rist (nascida Elisabeth Charlotte Rist) passou por São Paulo com uma exposição de 10 videoinstalações no Paço das Artes e uma instalação no MIS. Com um apelo fortemente anárquico, pop e feminista, seus trabalhos fazem uma colorida e instigante fusão do corpo humano, música, objetos de consumo e movimento.

Uma peculiaridade aqui é o uso de suportes alternativos para uma projeção, como um buraco no chão (na obra “Alma Perdida em uma Banheira de Lava”) ou o próprio corpo do espectador (“Laplamp”, onde um abajour projeta imagens aquaticas no colo de quem senta proximo a ele). Ela diz: “A imagem eletrônica é tão onipresente em nossa vida e sempre a deixamos numa única direção, olhamos sempre para dentro de uma caixa. Nós devíamos libertar esses fantasmas, misturá-los mais com o nosso cotidiano.”
É um tipo de trabalho para ser experimentado, mais do que assistido. Genial e fascinante.

Alguns vídeos de obras que estiveram expostas:

Generative Art (arte geradora)

December 1, 2009 Leave a comment

Generative Art não é um conceito novo, embora algumas definições classifiquem como “forma de arte que gera resultados randômicos a partir de algorítimos matemáticos e códigos de computador”. Uma definição mais abrangente seria: “qualquer prática da arte, em que o artista cria um processo baseado em um conjunto de regras. Que uma vez colocado em movimento, cria automaticamente, contribuindo sozinho para o resultado final”.

Ambas definições, embora complexas, descrevem uma maneira de se construir um resultado criativo utilizando um processo randômico que não esteja sujeito as emoções de seu criador, seguindo apenas suas diretrizes em busca de resultados e variações impensadas. Colocado desta forma, a “Arte Geradora” não é muito diferente de nossa velha conhecida a tal “Arte Colaborativa”: Um processo em que vários indivíduos colaboram com interpretacões livres das partes de um todo, ou melhor dizendo, a partir de uma mesma diretriz, buscando um resultado inusitado.

Feita a comparação, é hora de pensarmos como usar as pessoas da melhor forma quando queremos que colaborem para um resultado comum, as falhas que os projetos de arte colaborativa encontraram até agora é exatamente a dificuldade de manter todos na mesma diretriz sem limitar a criatividade do processo.

Um bom exemplo de arte geradora que poderia ter uma aplicação na arte colaborativa é o projeto Dreamlines do artista argentino Leonardo Solaas, um site onde você insere palavras que formarão um sonho, uma série de fusões utilizando um software que funde as imagens e palavras usando processos randômicos (é ver pra crer).

Abaixo algumas imagens criadas por Solaas para inspirar:

Para mais imagens vejam as 40 Monalisas também de Solaas.




Categories: Uncategorized